Please enable JS

Blog

Profissionais brasileiros são suscetíveis a conflitos de interesse?

7 de agosto de 2020 / Consultoria / por Comunicação Krypton BPO

Uma pesquisa realizada pelo IPRC Brasil (Instituto de Pesquisa do Risco Comportamental), buscou compreender a visão de profissionais frente a hipóteses de conflitos éticos e seu nível de resiliência a esses dilemas que poderão estar expostos no ambiente organizacional. Para a exposição das situações referentes à corrupção, os temas foram subdivididos em: Suborno, Conflito de Interesse e Presentes.

Foram analisadas as respostas de 2.435 funcionários e candidatos, de 24 empresas privadas situadas no Brasil, que ocupam posições sensíveis em suas organizações, sensibilidade essa que pode estar atrelada à vulnerabilidade das atividades que seu cargo propicia ao lidar com informações confidenciais, bens, dinheiro, negociações, entre outras.

Análises

Suborno

“…foi somente uma forma de me agradecer por ter conduzido a concorrência tão bem.”

Também conhecido como “propina”, “bola”, “bem-vindo”, “pixuleco”, suborno é o ato de prometer, oferecer ou pagar a uma autoridade, governante, funcionário público ou profissional da iniciativa privada qualquer quantidade de dinheiro.

O suborno tem como base uma troca financeira direta, quando o profissional aceita (9% dos respondentes) valores monetários em troca de facilitação ou acesso a algum bem da organização que representa, ou ainda, como parte de uma gratificação (45% dos entrevistados) por bons serviços prestados, mesmo que esta condição não foi anteriormente acordada.

Conflito de Interesses

“…qual o problema de contratar meu irmão? Ele é o melhor fornecedor.”

Já o Conflito de Interesses ocorre quando existe um confronto entre os interesses públicos (para fins dessa pesquisa, entende-se como interesse público àquele desempenhado pela função delegada pela organização, não se limitando a agentes do setor público) e privados, prejudicando o interesse organizacional ou coletivo.

Segundo a Recomendação do Conselho da OCDE sobre Integridade Pública, na raiz da corrupção está o conflito de interesses. Quando profissionais em suas relações interpessoais permitem (17% da amostra) ou não percebem (40% dos pesquisados) a sobreposição dos seus interesses pessoais em detrimento dos interesses institucionais da organização que representa.

Presentes

“…não é suborno! Foi me dado ‘de coração’.”

Em muitas bibliografias, não há grande diferenciação entre o recebimento de presentes e suborno. Porém, a corrupção pode ocorrer por meio da dádiva, com o ato de corromper de maneira implícita e indireta.

A Teoria da Dádiva, cunhada pelo sociólogo e antropólogo francês Marcel Mauss, explica como se dá a criação de laços sociais, destacando que essas relações possuem influência nas suas partes mais do que relação econômica. E, por ter uma natureza tácita, pessoas possuem maior dificuldade para perceber a sua existência (42% da amostra), gerando conflito de interesses quando é fruto de retribuição de presente, favor, serviço, gentileza e entre outros, como 12% dos profissionais estão suscetíveis.

Como lidar?

De acordo com Renato Santos, especialista em compliance e diretor do IPRC, o resultado levanta uma perspectiva alentadora: há menor resiliência quando a corrupção se apresenta na forma de conflito de interesses quando comparado ao suborno. “Alentadora porque abre um curso prático de ação: o investimento em conscientização sobre o que é conflito de interesses”, ressalta.

Segundo o especialista, treinamentos genéricos sobre ética e compliance, formas de contratação sem compreender a visão ética do candidato e a ausência de campanhas rotineiras sobre dilemas éticos profissionais podem contribuir para a formação de grupos com menor resiliência ética e ampliar a possibilidade de problemas relativos à fraude.

Na sua visão, as organizações precisam não apenas declarar a intolerância a desvios evidentes e diretos, mas também investir na ampliação da percepção moral do indivíduo, por meio do investimento na instrução. “E instrução, por sua vez, é mais ampla do que capacitar exclusivamente para a atividade profissional em sua dimensão técnica. Daí a necessidade de investimento em programas de promoção da ética de forma mais detalhada e aprofundada”, destaca.

 Fonte: RH pra você

Imagem:Business photo created by freepik – www.freepik.com

 

Posts relacionados

O quanto sua empresa perde ao não olhar para o capital humano?

O quanto sua empresa perde ao não olhar para o capital humano?

1 de outubro de 2020 / Consultoria / por Comunicação Krypton BPO
3 tendências sobre o futuro da humanidade e as oportunidades de negócios por trás delas, segundo o UBS

3 tendências sobre o futuro da humanidade e as oportunidades de negócios por trás delas, segundo o UBS

29 de setembro de 2020 / Consultoria / por Comunicação Krypton BPO
Os desafios de gerir pessoas em meio a uma pandemia

Os desafios de gerir pessoas em meio a uma pandemia

28 de setembro de 2020 / Consultoria / por Comunicação Krypton BPO
Entenda qual é o papel das empresas na agenda 2030 da ONU

Entenda qual é o papel das empresas na agenda 2030 da ONU

25 de setembro de 2020 / Consultoria / por Comunicação Krypton BPO
Índice de evolução da produção registra alta em agosto, revela sondagem da CNI

Índice de evolução da produção registra alta em agosto, revela sondagem da CNI

23 de setembro de 2020 / Consultoria / por Comunicação Krypton BPO
Mercado de trabalho se atenta para a importância da diversidade

Mercado de trabalho se atenta para a importância da diversidade

23 de setembro de 2020 / Consultoria / por Comunicação Krypton BPO

abc