Please enable JS

Blog

O estresse no trabalho ficou pior na pandemia? Entenda os sinais de alerta

O estresse no trabalho ficou pior na pandemia? Entenda os sinais de alerta

20 de outubro de 2020 / Carreira / por Comunicação Krypton BPO

A pandemia foi mais um empurrão para desestabilizar a saúde mental dos brasileiros. Esse estresse vai ter fim?

Você já ficou doente por causa de estresse de trabalho? Segundo o professor o médico, PhD e professor internacional da Fundação Dom Cabral, Roberto Aylmer, a pressão em janeiro já era alta e a pandemia foi mais um empurrão para desorganizar a capacidade mental dos profissionais de lidar com a tensão.

“Esse ano era apontado como um ano de recuperação. Estávamos preparados para uma corrida de 100 metros rasos. Com a pandemia, todas as expectativas foram desorganizadas”, comenta ele no episódio “Estresse sem fim?” do podcast Entre Trampos e Barrancos.

O aumento da instabilidade a partir de março se agrava com o prolongamento da emergência de saúde. “Nosso cérebro não aguenta tanto tempo tocando o alarme”, diz ele.

No começo do ano, Aylmer relata que muitos trabalhadores já tinham sintomas do estresse, como distúrbios de sono, alteração de humor, perda ou ganho de peso. O que pode começar com um incômodo mais simples, como uma dor de cabeça persistente, pode culminar na Síndrome de Burnout, o esgotamento no trabalho.

Nas redes sociais da EXAME, os leitores mandaram comentários para participar do podcast e comprovaram as palavras do professor. Quase todos já haviam normalizado a existência de sintomas de estresse relacionado ao trabalho.

Uma pesquisa da consultoria Falconi revelou que houve um aumento de 37% em doenças psiquiátricas ou distúrbios emocionais dentro das empresas brasileiras.

Segundo a Associação Internacional de Gerenciamento de Estresse no Brasil (Isma-BR), 72% da população brasileira tinha alguma sequela de estresse – e, 30% destes, sofriam de burnout.

“O ponto é que esse processo está muito ligado a relação com o chefe imediato”, fala o professor.

Ele deixa um alerta para os líderes: você pode aumentar a pressão na equipe ou pode aumentar a performance.

“Não é que a culpa é do chefe, mas há um papel muito influenciador do chefe que chama suporte social. Quando o colaborador, ou a equipe, sente suporte do seu chefe, como orientação, apoio, margem para errar, traz uma sensação de que a gente vai conseguir vencer junto. Quando aumenta a pressão, o chefe aumenta a cobrança e aumenta o medo, a única chance que o colaborador tem é aumentar o cinismo. É fazer de conta uma coisa e falar outra. Por isso ele esconde sintomas que são transtornos mentais comuns”, comenta ele.

Fonte: Exame

Posts relacionados

Propósito de vida, sonhos e autogestão de carreira

Propósito de vida, sonhos e autogestão de carreira

2 de dezembro de 2020 / Carreira / por Comunicação Krypton BPO
conversa

A importância da opinião para o seu sucesso como líder ou liderado

30 de novembro de 2020 / Carreira / por Comunicação Krypton BPO
O que são talentos híbridos (as famosas soft skills) que empresas buscam

O que são talentos híbridos (as famosas soft skills) que empresas buscam

27 de novembro de 2020 / Carreira / por Comunicação Krypton BPO
Employer branding: conectando pessoas por meio de propósito

Employer branding: conectando pessoas por meio de propósito

27 de novembro de 2020 / Carreira / por Comunicação Krypton BPO
Como o lifelong learning pode manter a carreira atualizada

Como o lifelong learning pode manter a carreira atualizada

26 de novembro de 2020 / Carreira / por Comunicação Krypton BPO
Quer empreender? Escolha desafios além de sua capacidade, diz especialista

Quer empreender? Escolha desafios além de sua capacidade, diz especialista

25 de novembro de 2020 / Carreira / por Comunicação Krypton BPO

abc